A Relação do Cristão com as Autoridades Constituídas

 

Apresentação1

 

O Cristão e sua Submissão às autoridades

I Pedro 2.13-17

Vivemos em uma sociedade que tem como uma das suas características atuais a irreverência em todos os sentidos, onde as pessoas não querem mais se submeter a normas. Em prol de uma liberdade de expressão, muitos ao invés de usar meios legais para atingir seus objetivos, preferem banalizar. A falta de respeito e de honra tem marcado não só o ambiente secular, do cidadão para com a autoridade, mas também os lares têm sido afetados, pais que não respeito os filhos, filhos que não se submetem a autoridade dos pais, faltando em muitos lares disciplina e casais que também não se respeitam.

Esse comportamento tem afetado também a Igreja evangélica como um todo, onde para muitos não há normas. o que importa é ser livre.

Como a Bíblia responde a esse comportamento?

  1. I.O cristão deve submissão as Instituições humanas por causa do Senhor

Precisamos diferenciar as diversas Instituições humanas:

1° Magistrado Civil: É o funcionário público revestido de autoridade judiciária ou administrativa. Sabemos dos três poderes, Legislativo, executivo e Judiciário. Estes são instituídos por Deus para a sua glória e bem púbico, mas essas autoridades precisam reconhecer a origem divina do principio de autoridade[1]·. Tem a autoridade constituída também no. 2º Trabalho e 3º Família. Estes são os três setores do qual Pedro está falando.

Pedro agora direciona a sua exortação ao comportamento dos cristãos em meio à sociedade em que vivem.

Há uma relação neste contexto dos versos 13-17 com a passagem de Romanos 13.1-7, onde em Romanos, Paulo fala da relação dos cristãos para com as autoridades constituídas, em comum, portanto, em ambos os textos, o tema da submissão. Diz Paulo em Romanos 13.1 “Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas”.

     O sentido de sujeição é de estar debaixo da autoridade de alguém.

     Os destinatários a quem Pedro escreveu viviam em um governo e sociedade que não eram favoráveis a fé cristã. Tanto Pedro quanto oapóstolo Paulo foram executados nas mãos do imperador romano Nero. Foi apenas no século IV, sob o imperador Constantino, que o cristianismo recebeu legitimidade oficial e proteção por parte do governo.

I.I O Senhor deve ser o motivo da nossa submissão

A motivação para a obediência não é evitar a punição, mas é por causa do Senhor.

Os cristãos obedecem às autoridades civis porque desejam honrar ao Senhor. Para honrar a Deus que ordenou o governo humano, os cristãos devemobservar as leis feitas pelo homem com cuidado desde que essas leis nãoentrem em conflito com o ensino claro da Escritura.

O apóstolo Pedro usa o exemplo de Cristo que mesmo diante de um governo injusto, foi submisso. Pedrodeclara: “pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quandomaltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se aquele que julga retamente”. (2.23).

Há uma falta de compreensão quando se fala de submissão, porque muitos acham que ser submisso, significa se rebaixar, se colocar na condição de inferior.

A insubmissão só é justificada quando fere os princípios da palavra de Deus. Exemplo: Se fosse aprovada uma lei no Senado dizendo que, as Igrejas evangélicas são obrigadas a casar homossexuais, esse seria um exemplo claro onde a Igreja seria insubmissa, pois não aceitaríamos tal lei.

O governo não tem o direito de controlar o púlpito, mas tem todo o direito de controlar os assuntos relacionados com a segurança efuncionamento.

Cumprir as leis fiscais, o crente que paga seus impostos, apesar do abuso deve pagar e não sonegar. Por causa do Senhor.

  1. II.As autoridades são Instituídas por Deus para Castigo e para louvor

Para Castigo

O governo faz isso (em parte) por legislar a moralidade. Leis contraassassinato e roubo são morais e bíblicas. Leis contra discriminação racialrefletem o ensino bíblico de que Deus não faz acepção de pessoas.

As proibições são forma de manter a sociedade em paz, de forma ordeira. É claro meus irmãos que sabemos muito bem que as autoridades fugiram do seu propósito, cidades onde o cristão é forte como por, exemplo, a Suíça, onde viveu João Calvino, as questões bíblicas permeiam a sociedade, tanto é que na época de Calvino, o próprio Calvino fazia parte do Conselho de Segurança de sua época, chamado de Consistório, onde ali, os membros lutavam para manter a moral.

Em uma sociedade como a nossa, a uma urgência de se manter o principio divino de autoridade, por isso, que o cristão deve fazer a sua parte, inclusive no templo eleição, como será o nosso caso. Iremos eleger os lideres do nosso pais, mas não basta você gostar de um ou de outro, é preciso ver os seus princípios morais.

  1. III.

III. I Usando a liberdade que Deus dá de forma correta,

III. II Vivendo para Glória de Deus

A palavra “emudecer” significa “fechar a boca com uma amordaça”. Os cristãos desfrutam a verdadeira liberdade quando obedecem aDeus e vivem como servos de Deus.  

Conclusão

Pedro aplica o ensino, listando algumas coisas que o cristão deve fazer de forma prática. Tratar a todos honra, ou seja, respeito, amar os irmãos, temer a Deus e honrar ao rei.

É natural homenagear um bom rei ou umgovernante que respeitamos. No entanto, Pedro está a pedir aos seusleitores para homenagear ninguém menos do que o próprio Nero.

Essa é outra marca do cristão autêntico, a capacidade de honrar até mesmo ostiranos da nossa sociedade, aqueles que abusam e nos perseguem (Mt5. 44).

Devemos respeitar a todos àqueles que Deus colocou em posição de autoridade, mesmo que não sejamos capazes de respeitar um líder, porque ele écorrupto ou imoral devemos respeitar seu ofício.

Uma vez que Deus ordenou às autoridades desprezá-las é desprezar o próprio Deus.

 


[1] Andrade, Peixoto. Estudos Bíblicos Doutrinários da Confissão de Fé.

Print Friendly, PDF & Email


Dijavan Ferreira Cruz

Dijavan Ferreira Cruz é bacharel em teologia pelo seminário teológico Presbiteriano reverendo José Manoel da Conceição. É Casado com Priscila Jonson e pastor da Igreja Presbiteriana De Itapevi

Artigos relacionados


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *